Turma Barão de Teffé
Retorna à página principal Retorna à página principal

Encerramento do C-EMOS 2004 - Palavras do Exmº Sr. Diretor

MARINHA DO BRASIL
ESCOLA DE GUERRA NAVAL
ENCERRAMENTO DOS CURSOS C-PEM E C-EMOS 2004

PALAVRAS DO EXMº SR. DIRETOR

Antes de iniciar as minhas palavras aos formandos, gostaria de agradecer a presença de todos. Muito nos honra poder compartilhar com as senhoras e os senhores esta significativa data.

Há 90 anos atrás, em 1914, era criada a nossa querida Escola de Guerra Naval como resultado da necessidade de se elevar o nível de cultura dos oficiais da Armada que tinham se distinguido por estudos anteriores, com os propósitos de “melhorar a preparação de seus oficiais na arte do grande comando; orientar o pensamento desses oficiais para o estudo dos grandes problemas navais, de modo a estabelecer entre eles uma perfeita unidade de vistas, da qual resultasse a formação da doutrina de combate precisa à nossa Marinha de Guerra; e, por último unificar e precisar as idéias profissionais da nossa oficialidade moderna, com o intuito de tornar a sua colaboração indispensável junto às autoridades de maiores responsabilidades na Armada”.

Atualmente, verificamos que as idéias basilares que deram origem à criação desta Escola permanecem vivas, sendo atualizadas ao longo dos anos, acompanhando as demandas da nossa Marinha, em consonância com a realidade e as aspirações de nosso País.

Assim, em face da importância histórica de sua missão e do legado de dedicação e profissionalismo deixado por nossos antecessores, é natural afirmarmos que hoje, como no decorrer desses 90 anos, é um dia que se reveste de intenso orgulho para a nossa querida Escola. Com certeza, mais uma vez a EGN se enche de júbilo, com a sensação do dever cumprido: não somente por haver complementado a qualificação de seus oficiais-alunos, visando ao exercício de funções e cargos em Estado-Maior, e na Alta Administração Naval, como também, por ter contribuído para que esses mesmos oficiais desenvolvam o pensar estrategicamente.

Senhores oficiais-alunos, ao longo do ano letivo que ora se encerra, a nossa Escola lhes indicou os caminhos a serem seguidos, apontou as diversas direções possíveis. Cabe aos senhores, a partir deste momento, trilhá-las.

O mundo em que vivemos é marcado por conflitos e confrontações, o fim da bipolarização não correspondeu às expectativas de paz e harmonia entre os povos. Vivemos sim, rápidas transformações, onde antagonismos no campo político, econômico ou geoestratégico surgem abruptamente, podendo alimentar crises internacionais que podem evoluir para o conflito armado. O Brasil, como grande nação que queremos ser, aspirando uma posição de destaque no cenário político mundial, enfrentará desafios crescentes e poderá ter seus interesses contestados em um futuro não muito distante.

Nesse contexto, onde não são permitidos o despreparo e a omissão, somente podemos acompanhar essas transformações por meio de investimentos no saber, no aprimoramento do conhecimento. Daí advém o valor dos diversos cursos desenvolvidos por esta Escola, que suprem as necessidades de oficiais qualificados, capazes de debater idéias, formular políticas e estratégias marítimas, como também conhecer os novos processos gerenciais, indispensáveis para a gestão administrativa na Marinha.

A Escola de Guerra Naval desempenha papel fundamental na qualificação desses oficiais, uma vez que lhe é atribuída a missão de converter, progressivamente, o técnico militar em um oficial capacitado para exercer funções em Estado-Maior e na Alta Administração Naval, consciente do mundo e da realidade de seu País, dotado de qualidades morais e intelectuais indispensáveis ao chefe naval de nossos dias.

No decorrer deste ano, a turma do Curso de Política e Estratégia Marítimas, C-PEM 2004, composta de 33 oficiais e um funcionário civil da Marinha do Brasil, um Coronel do Exército e um Coronel da Força Aérea, foi pioneira ao realizar um Estudo de Estado-Maior onde temas de interesse da Alta Administração Naval foram analisados ao longo de todo o ano letivo, com o propósito de que fossem apresentadas possíveis soluções para problemas atuais enfrentados pela nossa Marinha. Nessa ocasião, os senhores puderam exercitar o pensamento estratégico e tiveram a oportunidade de conhecer e estudar, com profundidade, os diversos setores da instituição. A análise dos problemas que lhes foram submetidos resultou em idéias que poderão ser utilizadas para minimizar, a médio e longo prazo, os efeitos da escassez de recursos e da dependência tecnológica em relação aos países desenvolvidos.

Nesta oportunidade, não poderia deixar de destacar as participações ativas, competentes e enriquecedoras dos oficiais do Exército e da Força Aérea, bem como do servidor civil da Escola Naval que, com suas experiências profissionais, dedicação e camaradagem, integraram-se rapidamente ao nosso convívio.

No que se refere ao Curso de Estado-Maior para Oficiais Superiores, C-EMOS 2004, composto por 126 oficiais da Marinha do Brasil e por onze oficiais de marinhas amigas, além dos ensinamentos colhidos nos planejamentos e execução de jogos de guerra, inclusive com a participação de outras forças, igualmente positivo foi o aproveitamento dos oficiais-alunos na realização de trabalhos de Estudo de Estado-Maior e nas disciplinas cujas ferramentas empregadas para a solução de problemas empresariais foram utilizadas, também, para a análise de temas de interesse da Administração Naval.

Registro, também, a enriquecedora experiência representada pela convivência com os onze oficiais superiores de marinhas amigas no C-EMOS 2004. Cabe ressaltar que este número superou a quantidade atingida em anos anteriores. Tivemos, com grande satisfação, a companhia de oficiais das Marinhas da República Argentina, República do Chile, República do Equador, dos Estados Unidos da América, da República Francesa, da República da Guatemala, dos Estados Unidos Mexicanos, da República do Paraguai, da República do Peru, da República Bolivariana da Venezuela e o do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte. Espero que este período de convívio com nossas tradições, costumes e cultura possa ter contribuído para o estreitamento de laços de amizade, admiração e respeito mútuo, atributos indispensáveis à convivência pacífica e ao desenvolvimento de nossos povos. Cumprimento a todos pelo desempenho durante o curso e desejo aos senhores, assim como a seus familiares, um feliz regresso a seus países.

Senhores! Tudo que propusemos, tudo que apresentamos, todas as nossas expectativas, não se tornariam realidade não fora o trabalho silente do corpo de militares e civis dos Departamentos de Ensino, de Administração e de Recursos Didáticos, responsáveis pela viabilização do bom funcionamento desta Escola, garantindo-lhe as condições operacionais e ambientais indispensáveis ao desenvolvimento da atividade-fim desta casa. Aos senhores e senhoras o meu reconhecimento.

Ao corpo docente, formado por dedicados e competentes oficiais da ativa e da reserva, é com orgulho que lhes dirijo palavras de reconhecimento, de confiança e de chamamento. De reconhecimento, pelo excelente trabalho que realizaram no desenvolvimento dos cursos que hoje, com satisfação vemos concluir; de confiança, na sua capacidade de vencer os desafios que lhes são impostos no dia-a-dia; e de chamamento, ao concitar-lhes a preservar a marca de ensino de excelência que caracteriza esta Escola e que não pode ser perdida.

Essas palavras também dirijo aos professores do instituto COPPEAD da UFRJ que, com os diversos palestrantes e conferencistas, mais uma vez se uniram aos nossos instrutores, enriquecendo os debates, as trocas de idéias, as percepções acadêmicas, tendo sempre como “farol” o constante aperfeiçoamento do ensino.

Oficiais-alunos! Este dia, 10 de dezembro de 2004, simboliza o término de um ano de enriquecimento do conhecimento, de aprimoramento profissional e pessoal conquistados pelo esforço individual, fruto de um intenso trabalho intelectual. Os senhores superaram as dificuldades encontradas. Bem-vindos ao grupo de oficiais de marinha que, além do sentimento de orgulho por pertencer a esta instituição, a Marinha do Brasil, também se orgulha de ser diplomado, no correspondente nível, pela Escola de Guerra Naval. Parabéns!

Aos senhores e distintas famílias desejo felicidades e a todos um feliz Natal.

Muito obrigado.

GILBERTO MAX ROFFÉ HIRSCHFELD
Contra-Almirante
Diretor

Atualizado em: 04/02/2005 Voltar |  Topo